Falta de Peças nas Concessionárias de Belém
Diminuir fonte Aumentar fonte
Da Redação
Motor1

O assunto não chega a ser novidade, mas nunca se atingiu uma situação tão crítica.

Os proprietários de carros de Belém ultimamente tem levado mais a serio a questão do tão falado pós-venda. De nada adianta voce conseguir uma boa negociação na hora de comprar seu carro novo, levar para casa aquele modelo tão sonhado e na primeira oportunidade que precisar substituir alguma peça do seu carro, seja por desgaste natural, seja por acidente, descobrir que a Lua de Mel acabou...

Infelizmente a situação vem se repetindo com praticamante todas as marcas. Mesmo peças simples como faróis, lanternas, para-brisas, para-choques ou espelhos retrovisores não são encontrados para reposição imediata. E aí começa o aborrecimento, pois dificilmente o prazo de chegada dessas peças é inferior a 30 dias.

O pior √© que muitas vezes, nem sequer adianta ligar para os chamados SACs dos fabricantes: s√£o empresas terceirizadas que se limitam a ter atendentes muito educadas mas completamente desinformadas sobre tudo. Apenas anotam sua reclama√ß√£o para depois encaminhar √† f√°brica e s√≥ alguns dias depois retornar com informa√ß√Ķes imprecisas e previs√Ķes que dificilmente se cumprem.

Quando finalmente a peça chega, começa então a outra etapa desgastante: a execução dos serviços na oficina. Mais uma vez aqui, os prazos informados são meras formalidades, na maioria das vezes, não cumpridos.

As exce√ß√Ķes existem, com certeza. Mas a exce√ß√£o deveria ser "ter problema" mas isso h√° algum tempo se inverteu.

Por mais que "aquele" carro seja seu sonho de consumo, pesquise antes, converse com outros proprietáros, consulte os sites de reclamação de consumidores e avalie se você não está transformando seu sonho em pesadelo.

Uma r√°pida busca no Google pode ajud√°-lo a n√£o levar gato por lebre.

Paulo Bergamini - Motor1