Nova geração da Nissan Frontier chega para desafiar as líderes
Diminuir fonte Aumentar fonte
Da Redação
Motor1
Nissan Frontier
Nissan Frontier
Nissan Frontier
Nissan Frontier
Nissan Frontier
Nissan Frontier
Nissan Frontier

A japonesa Nissan √© uma das marcas com maior tradi√ß√£o no mundo em picapes e utilit√°rios. Frequentemente vemos seus modelos em filmes, reportagens e document√°rios sobre expedi√ß√Ķes aos mais long√≠nquos cantos do mundo, enfrentando lama√ßais, montanhas, p√Ęntanos e outras adversidades. Talvez s√≥ a Land Rover e a Jeep tenham mais ‚Äúfama‚ÄĚ neste assunto, embora estas duas n√£o tenham picapes em seu portf√≥lio.

No Brasil, a Nissan chegou com a abertura do mercado na década de 1990 com seu esportivo 300ZX e o sedã Sentra. No entanto, o primeiro modelo a ser fabricado por aqui foi a picape Frontier, em sua 10ª. geração, para concorrer com as recém-lançadas Chevrolet S-10 e Ford Ranger, quando estas ainda eram picapes de médio porte.

No √ļltimo Sal√£o do Autom√≥vel a Nissan apresentou ao p√ļblico a 12¬™. gera√ß√£o da Frontier. Como se esperava, nesta gera√ß√£o a Nissan tamb√©m aproximou sua principal picape dos autom√≥veis da marca, adicionando conforto, luxo e mais suavidade onde antes s√≥ havia for√ßa bruta e valentia.

Se engana, por√©m, quem achar que a Frontier agora √© uma picape urbana, feita para os ‚Äúcowboys do asfalto‚ÄĚ. A Frontier nunca teve tanta for√ßa e aptid√£o para encarar os caminhos mais dif√≠ceis, mas agora faz isso com uma grande dose de conforto e seguran√ßa.

Embora mantenha identidade visual com as gera√ß√Ķes anteriores, trata-se de um carro totalmente novo. O chassis agora √© composto por um ‚Äúduplo C‚ÄĚ, soldado continuamente de ponta a ponta, o que garante uma resist√™ncia √† tor√ß√£o e aos esfor√ßos, nada menos que quatro vezes superior ao que a gera√ß√£o anterior suportava.

Visualmente a nova Frontier, além de mais moderna, parece ser bem maior que a anterior. Na verdade ela é apenas 2cm mais longa, chegando aos 5,25m. No entanto a altura livre do solo cresceu 7 cm (tem agora excelentes 29,2cm), a largura aumentou de 1,78m para 1,85m, enquanto o entre eixos diminuiu 5cm, sendo agora de 3,15m.

Na suspens√£o a Nissan foge √† regra seguida por suas principais concorrentes e abandona o eixo r√≠gido com feixes de molas na traseira. A Frontier usa um sistema que chama de 5-link, que consiste em um eixo com 5 pontos de ‚Äúamarra√ß√£o‚ÄĚ no chassis e com molas helicoidais nas extremidades, o que garante um rodar com menos saltos e sem a sensa√ß√£o de flutua√ß√£o em velocidades mais elevadas. Ponto para a seguran√ßa, conforto e estabilidade tanto no asfalto quanto na terra. Por falar em seguran√ßa, a Frontier tem controle eletr√īnico de tra√ß√£o e estabilidade como item de s√©rie.

O motor tamb√©m √© novo: um 4 cilindros 2.3 com 190cv e 45,9kgm de torque, com dois turbo compressores: um menor para ‚Äúencher‚ÄĚ o motor em baixas rota√ß√Ķes e um maior, que garante que o motor continue com sa√ļde e for√ßa at√© os giros mais altos. Este motor proporciona mais desempenho, menor consumo e menos manuten√ß√£o em rela√ß√£o ao antigo 2.5 que equipava a picape.

No c√Ęmbio, novamente tudo novo: sai o autom√°tico de 5 marchas e entra uma nova caixa mais compacta e robusta com 7 marchas e op√ß√£o de trocas manuais, que a anterior n√£o tinha. Tra√ß√£o nas quatro rodas com bloqueio central do diferencial garantem que a Frontier encare atoleiros com desenvoltura, desde que equipada com pneus adequados para esta aventura.

Como resultado deste novo pacote mec√Ęnico, a nova Frontier √© capaz de acelerar de 0 a 100 em apenas 10,6 segundos e chega a 180km/h de velocidade m√°xima limitados eletronicamente. O consumo de √≥leo diesel tamb√©m √© destaque, com 9,5 km/l na cidade e 12km/l na estrada.

Internamente, tudo novo tamb√©m: bancos, painel, volante, tudo remete ao sed√£ Sentra, embora em tamanho maior. A dota√ß√£o de acess√≥rios de conforto e seguran√ßa aumentou bastante. Est√£o presentes controles de som e conectividade no volante, ar condicionado digital de duas zonas com sa√≠das para o banco traseiro, bancos de couro, c√Ęmera de r√©, sensores de estacionamento, bancos dianteiros aquecidos e do motorista com comandos el√©tricos, far√≥is full led, assistente de partida em rampa e de descida e partida sem chave. No entanto, estranhamente s√≥ h√° dois air bags e a dire√ß√£o, apesar de hidr√°ulica, ainda √© um tanto pesada. O espa√ßo interno sem d√ļvida melhorou, embora o banco traseiro ainda seja um pouco baixo e n√£o haja encosto de cabe√ßa e cintos de tr√™s pontos para o ocupante do meio. Pequenos deslizes que poderiam ter sido facilmente corrigidos.

O modelo rec√©m lan√ßado ainda vem do M√©xico em vers√£o √ļnica LE, que equivale √† anterior SL. A fabrica√ß√£o do modelo na Argentina come√ßa at√© o fim do ano, quando chegar√£o as demais vers√Ķes. O pre√ßo da LE √© bastante competitivo, ao se comparar com as vers√Ķes mais completas de suas concorrentes: R$ 166.400,00 ou nada menos que R$ 25.000,00 a menos que o modelo equivalente da Toyota.

A evolução da Frontier em relação à geração anterior é notável. A base é tão boa, que dará origem em breve à primeira picape da Renault, a Alaskan e também da Mercedes, com sua inédita Classe X. Resta à Nissan corrigir seus pequenos pecados na dotação de equipamentos de segurança (cintos e airbags) e, principalmente, treinar sua Rede para vender e atender um produto de tão alta qualidade.

Paulo Bergamini ‚Äď Motor1